Chapéu de palha, Luís G. Rodrigues

As sombras repetem-se. Ali, todas mostravam a mesma coisa com figuras diferentes como que querendo dizer algo. Ele olha-as, sabendo que são formadas pelas persianas que deixam passar a pouca luz da Lua e dos postes de eletricidade. Naquele teto as figuras são diferentes, cada brecha daquela persiana espera até àquelas horas para mostrar o que não pôde pela manhã soalheira que se tem repetido no decorrer daquele vulgar verão por que as pessoas ansiavam no inverno que já passou.