Dossier: Eros

Eros

Texto de João N.S. Almeida.

Eros, inicialmente retratado nos registos da mitologia grega como um dos deuses primordiais, foi mais tarde sujeito a uma revisão: era, afinal, filho de Afrodite, sendo representado nesses registos mais tardios como tendo surgido já em papel secundário, de forma derivada da deusa maior do amor.

Bobbin with Eros; 470-450 BC; red-figure pottery; height: 2.6 cm, diameter: 11.8 cm; Louvre

O deus nasce masculino, mas mais tarde é-lhe dada uma origem feminina. Isto pode ser explicado pelo efeito que tem a idade tanto nas pessoas como, aparentemente, nos deuses; se inicialmente se julgam gerados de si mesmos, mais tarde descobrem que têm origens biográficas concretas, em geral concebidas no caldeirão de fecundidade que é a massa feminina. Se, nos deuses, a atribuição de origem é posterior — dado que vivem, pelo que sabemos, vidas ficcionais — nas pessoas é o reconhecimento que é posterior. Supomos que os deuses vivam mais como as pessoas julgam que vivem.

Este dossier não pretende ser um exame meticuloso e extensivo da existência e dos objectos do erotismo. Antes, de acordo com o espírito fogoso, e logo fugaz, do deus e do conceito, é composto por retratos breves, tanto em forma textual como em fotografia. O leitor saberá juntar as peças que quiser e saber que fica sempre com uma forma inteligível e válida.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s