Ranço, António M. Pereira

1.

Haverá por certo a solidão lírica de desertos rasos sem nuvens nem verdura no horizonte:
A renúncia iluminada dos santos
Ou o purgatório de segundo ato dos heróis de celuloide
Que antecede o regresso triunfal à pátria por vingar.

Depois há o ranço de fundo de armário
– Aquela perfídia que nos seduz a lançar olhares demorados à nossa volta em ruas amplas de gente,
Na esperança difusa de que os nossos olhos calhem a ir ao encontro de algum rosto familiar
Do qual nos esconderíamos em pânico de abominação, caso deveras o encontrássemos.

O Ranço não é solilóquio melodramático de Hamlet.
É esquecermo-nos das falas a meio de uma cena
E apercebermo-nos de que o outro ator abandonou o palco enquanto vasculhávamos os bolsos em
busca de uma cábula.

É a humidade enferrujar-nos a garganta, apodrecer-nos o hálito,
E darmos por nós a cometer crimes de capricho
Sem outro propósito que o de ver prolongada a nossa pena
Porque já não sabemos como se vive lá fora
E o ar fresco só nos faz mais conscientes do mofo que expiramos.

Não é ser abandonado.
É ter uma sombra maior que nós até no meio-dia
E por isso abandonar.

 

2.

O Ranço é
Perder a vergonha
Mas não a vergonha de a ter perdido.

O Ranço é
Extinto já o orgasmo opiáceo da esperança
Por dependência continuar a injetar-me de ilusão.

É manter pedaços bolorentos de um sonho antigo no fundo da algibeira
Para quando o tédio me apunhalar de fome
E eu não tiver o que comer.

 

António M. Pereira

 

 

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: