Crítica: Se Ícaro voasse de noite (2018), José Bernardo da Fonseca

«Escrever um texto crítico sobre o trabalho de um amigo não é fácil, sobretudo se nos queremos furtar aos dois extremos em que a empresa de outro modo naufragaria: ser encomiástico e ser excessivamente exigente.» Texto de Tomás Ferreira.

Texto de Tomás Ferreira.

Escrever um texto crítico sobre o trabalho de um amigo não é fácil, sobretudo se nos queremos furtar aos dois extremos em que a empresa de outro modo naufragaria: ser encomiástico e ser excessivamente exigente. Alguns reputá-lo-iam até de trabalho desonesto. Se é certo que na crítica se deve separar inteiramente do objecto criticado qualquer consideração pessoal, como ser-se amigo ou inimigo da pessoa cujo trabalho se critica, também é certo que nem sempre isso é possível – e talvez este seja um desses casos –, quanto mais não seja porque, se se é amigo íntimo de quem escreveu a obra, pode-se perceber melhor, à luz de conversas anteriores, certas alusões, certas inflexões e certos detalhes que, às vezes, podem ser da maior importância. No entanto, mesmo que não tenhamos esse privilégio, podíamos supor que o trabalho do verdadeiro e bom crítico também passa por se pôr numa dessas posições privilegiadas e ter a capacidade intuir o verdadeiro significado do que não é claro. Digo isto em jeito de introdução como apologia por vir agora comentar o primeiro livro do José Bernardo da Fonseca, ex-aluno de Estudos Gerais da FLUL e conhecido de muitos de nós, cujo percurso pessoal e artístico tenho acompanhado ao longo dos últimos cinco anos.

É de salientar que este é um primeiro livro – e um primeiro livro de poesia – e que por isso dificilmente se lhe pode pedir que seja perfeito ou que possa ser considerado a definitiva prova do seu autor, e ainda bem que assim é. De facto, este livro não é perfeito, muito longe disso: por vezes a expressão é confusa, o encadeamento dos versos pode parecer descuidado, a rima forçada, etc. Isto indica o longo caminho artístico que o Zé Bernardo ainda tem a percorrer, mas indica-o precisamente porque mostra que há um caminho a percorrer que vale a pena de ser percorrido. Mostra, no fundo, que há matéria no coração desta poesia, um sujeito que clama por expressar-se e que tem algo a dizer. Nisso não fui surpreendido por este livro, porque sempre me pareceu que o Zé Bernardo se filia em Oscar Wilde: a sua pessoa e a sua conversa são a verdadeira arte viva, enquanto a escrita é um reflexo, exuberante mas ainda assim apenas um reflexo. E, aqui e acolá, emergem imagens muito poderosas. No fundo, é como aprender a tocar piano ou começar a compor uma sonata. Primeiro há muito barulho, mas de quando em vez começam a surgir verdadeiras notas de uma melodia pessoal, de uma forma pessoal de fazer arte.

Falo de Oscar Wilde e isso lembra-me dois outros pontos. Tal como a escrita de Oscar Wilde, esta é uma escrita que não se leva demasiado a sério, que grita e chora mas também se ri na cara do leitor, no que é semelhante a, por exemplo, The Importance of Being Earnest, mas com o pathos de «The Ballad of Reading Gaol». Um segundo ponto tem a ver com o que Wilde dizia sobre sinceridade e arte. Para Wilde, a sinceridade é a morte da arte e não há nada mais corrosivo para a poesia do que ser sincera. Ora, podemo-nos perguntar se o presente livro enferma da wildeana «patologia da sinceridade». O que é certo é que, quando li o livro, pensei imediatamente para comigo que cada linha trazia qualquer coisa de um retrato. Diria que este é um livro ferido, que sangra abundantemente, mas não sei dizer, ainda que a sinceridade lá esteja evidente, se foi esta que o feriu de morte.

Mas alusões a Wilde não disfarçam outras figuras que ecoam na escrita do Zé Bernardo e, de facto, surgem-me três nomes que correspondem a outras tantas características dos poemas do meu amigo: Heinrich Heine (com música de Schumann), Shakespeare e António Aleixo. É opinião corrente que os poemas de Heine, quando lidos, não têm a mesma força que tem o Dichterliebe, Op. 48 de Schumann que usa os versos daquele poeta. Assim também a poesia do Zé Bernardo clama por um acompanhamento e, de facto, vários destes poemas nasceram como músicas para serem cantadas acompanhadas de um instrumento, e não lidas. Por exemplo, a emoção provocada pela leitura dos poemas «Leões e beduínos» e «Por um olhar lascivo» é pouca, mas ouvir o Zé Bernardo cantá-los no dia do lançamento do livro evocou uma resposta muito mais forte. Esta consideração leva-me a outra: tal como o fantasma do Hamlet sem Shakespeare para o representar, estas palavras podem ser como conchas vazias, se não forem preenchidas pela stimmung da presença de quem as diz. Por fim, uma alusão a António Aleixo, que vem ao encontro do que foi dito acima. Tal como ele, também o Zé Bernardo escreve e canta a despeito do mundo, do filistinismo e de todos nós e os seus versos têm, assumidamente, um cariz entre a poesia de fado e a poesia sardónica, irónica e mordaz de Aleixo e partilham uma dicção afim.

Tudo o que foi dito até agora foi no sentido de ajudar a ler a poesia de Zé Bernardo, a avaliá-la com justeza e a apreciá-la melhor. Quero terminar com a nota feliz de que o lançamento deste livro parece ir contra a corrente que dificulta o acesso dos novos autores ao mercado editorial. Que seja pois um sinal encorajador para todos quantos partilham a ambição de tocar com as suas palavras a comunidade. Leia-se Zé Bernardo e que venha mais! E que emerjam muitos mais novos poetas, pois bem precisamos de sangue novo na literatura, como na vida.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: