Sem-título, Francisco Cambim

Entre o mar dissoluto insondável
e as ruínas de um sol expectante
de raio verde que pleno tornasse
o ausente voo da gaivota anunciado

chegaria a escuridão,
que em noite dizia o mar e a gaivota,
seu sinuoso voo pelas planícies austrais
e o alcance até onde a vida poderia
ser vista como horizonte,
como esse canto agridoce
que a noite apagava.

em estados sucessivos
de olhar, na unidade perdi o voo
e aquilo que em curvas descrevia
chamava o tempo ciciando
ou à noite escura dedicava
num silêncio que era eu
ou a morte devida ao momento
breve, em breve comunidade
e só comigo passando.

Francisco Cambim

%d bloggers like this: