FLUL: A celebração dos 150 anos do nascimento de Mahatma Gandhi

A Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL) foi um dos palcos da comemoração dos 150 anos do nascimento de Mahatma Gandhi. A cerimónia decorreu a 2 de Outubro, no Anfiteatro IV, em parceria com a Embaixada da Índia e a Associação de Amizade Portugal-Índia (AAPI). Texto de Eduardo Oliveira.

Texto de Eduardo Oliveira.
Imagens cedidas pela Embaixada da Índia, Portugal @IndiaInPortugal.

A abertura da sessão, bem como a coordenação do evento, ficaram a cargo do Professor Shiv Kumar Singh, do Departamento de Estudos Indianos da FLUL, seguindo-se o discurso de boas-vindas por parte do Professor Doutor Miguel Tamen, Director da FLUL. Foi apresentado um vídeo, acompanhado de citações sobre Mahatma Gandhi, e citações do próprio, tendo sido mais tarde feita uma projecção LED desse e de outros vídeos na Praça do Comércio, na presença do Presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

Sua Excelência Embaixadora da Índia em Portugal, K. Nandini Singla, discursou sobre a influência de Mahatma Gandhi no mundo, secundada pelas intervenções do jornalista Leonídio Ferreira e do deputado Doutor Pedro Delgado Alves, que partilharam também ao longo do evento as suas experiências sobre a mensagem de Gandhi, e de como os influenciou. O Director do Departamento de Filatelia dos CTT, Doutor Raul Moreira, apresentou um selo sobre Gandhi, emitido pelos correios indianos e que estará disponível também em Portugal.

42989853_2048850268500706_2488503338337828864_o

Foi exibido “Vaishnav Jan To Tene Kahiye Je”, um vídeo de fusão gravado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros Indiano e interpretado por artistas de 124 países, bem como a integral versão portuguesa do vídeo, interpretada pelo flautista e saxofonista português, Rão Kyao. “Vaishnav Jan To Tene Kahiye Je” é um cântico do século XV, da autoria do poeta Narsimha Mehta, e frequentemente associado a Gandhi, sendo Vaishnava jan to tene kahiye je, peer parayi jaane re traduzido como “apenas aqueles que sentem a dor dos outros podem ser chamados de pessoas de Deus”.

43337693_2048850621834004_1688199585035452416_o

O grupo BAPS, do Templo Shri Swaminarayan Mandir, interpretou ao vivo “Raghupathi Raghava Rajaram”, um cântico entoado por Gandhi e pelos seus seguidores ao longo dos 386 quilómetros da Marcha do Sal de 1930. A Marcha do Sal foi uma das manifestações pacíficas de Gandhi, neste caso contra os impostos do Império Britânico sobre os produtores de sal na Índia.

Para finalizar a sessão, foi exibida uma mensagem em vídeo de Sua Excelência Embaixadora de África do Sul em Portugal, Mmamokwena Gaoretelelwe, sobre a importância da estadia de Gandhi na África do Sul e o início do seu percurso.

Após a sessão, foi disponibilizado aos convidados e espectadores um pequeno buffet de comes e bebes indianos, bem como a exibição de tecidos e roupas feitos de Khadi.

43415403_2048849188500814_1855026860820267008_o

Para além desta sessão e da cerimónia na Praça do Comércio, também a Comunidade Hindu de Portugal celebrou a memória de Mahatma Gandhi, organizando uma campanha de doação de sangue. A celebração dos 150 anos do nascimento de Mahatma Gandhi continuará em diversos eventos ao longo dos próximos dois anos.

Nascido em 2 de Outubro de 1869, Mohandas Karamchand Gandhi foi um activista indiano pela paz e pela independência do povo indiano, sob o jugo inglês, tendo sido assassinado em 30 de Janeiro de 1948 por um extremista indiano. Baptizado como Mahatma (“Grande Alma” em Sânscrito) e Bapu (“Pai” em Gujari), a sua mensagem de protestar sem violência perpetua-se pelos anos.

%d bloggers like this: